Jussara e a viagem do Capitão Pickles 01

Pickles

Diário de Bordo 001

Data Galática 456

Capitão James Pickles

Como sabemos a terra se tornou um local sem espaço e muito perigosa para pessoas como eu ou como meus homens, pessoas sadias que gostam de esportes (soou meio estranho né?). Após uma campanha de marketing planejada de forma irresponsável da bebida Fater, o suco mais gostoso do mundo e do chocolate Magayver, aquele que dizem ser gostoso com qualquer coisa na mesa ou na dispensa, o mundo mudou e ficou mais pesado. Depois de dois anos estas pérolas do lixo calórico engordaram a população mundial ao ponto de não haver mais espaço para os varetas. Varetas são as pessoas comuns normais que não caíram na onda dos docinhos gostosos (isto inclúi os gordos médios). Em 10 anos a população era formada por pessoas tão gordas que uma nova consciência social associada a novas formas de se interagir com o mundo teve que ser criada. Sim meus amigos, algo simples: os varetas foram expulsos para a lua. Durante anos tentamos nos adaptar ao novo ambiente e quando tudo parecia feliz um General do Alto Governo resolveu ter a brilhante idéia de lançar uma nave de exploração pelo braço galático em busca de novas terras. Coisa de filme B, mas B mesmo, aquele Clichê com cheiro de mofo amargo. O pior é que o maníaco não estava de brincadeira e em pouco tempo fez uma nave de exploração surgir de trás da sua perna e a apresentou na mídia. O objetivo era encontrar novas terras, explorar novos minerais e bla bla blá de joguinho do SNES, PSone e etc. O legal é que ainda iria piorar. Como assim? A tripulação seria formada apenas por homens, cerca de 500 homens em uma nave feita de latão. Preciso de uma bebida…

Diário de Bordo 002

Data Galática 456

Capitão James Pickles

Não sei ao certo porque me tornei capitão da nave. Mas, parece que tudo rolou no Bar Mirror, quando me lembro vagamente de estar abraçado no vaso sanitário quando o tio da porta me ofereceu um remédio ou algo do tipo. Também me lembro por flashs que por norma da casa eu tinha que assinar alguma coisa para liberação do remédio. Parece que era um termo retirando a culpa do bar caso eu moresse com o tal comprimido. Posso jurar que o que me foi dado foram jujubas de morango, mas, temos que dar chance aos homens de boa vontade, temos que botar fé nas pessoas, senão a humanidade não se perpetua. Descobri mais tarde de forma amarga que o homem é cruel por natureza e que bêbados são enganados em banheiros de bar. Mas ainda não sei porque me puseram neste latão. Tudo bem que comandei alguns navios em algumas guerras, perdi todas com honra, mas comandei até o naufrágio de cada um deles com muito orgulho. No papel pardo que me entregaram dizia: Vai que é tua Pickles.

Diário de Bordo 003

Data Galática 456

Capitão James Pickles

A tripulação é dividida em médicos, engenheiros, cozinheiros, mineradores, jogadores, arquitetos e lutadores de Judô. Não quero saber para que servem arquitetos, jogadores e lutadores de Judô dentro de uma nave a voar sem rumo pelo quase vácuo quase absoluto do braço galático. Nas fichas percebi que todos possuem problemas, como alcoolismo, sonambulismo, viciados em jogos, tarados (puta merda), pedófilos e alguns com dupla personalidade. Já faz 8 horas que estou na ponte observando a nave, digo, a ponte de ligação do lado de fora, alí perto da rua cratera 03. Apesar desta balaca de diário de bordo, ainda nem entrei na nave. Preciso urgente de um cigarro com filtro de areia lunar.

Diário de Bordo 004 (tá eu sei que é mentira)

Data Galática 457

Capitão James Pickles

A tripulação chegou. Para comemorar a sua viagem eles mataram uma virgem e a assaram em um ritual pagão Classe C. Sabe como é, os custos, estamos na lua, virgens são coisa rara. Pelo que sei a mulher não era virgem, mas eles embutiram nela uma placa de papelão para simbolizar. Após algumas garrafas de Graspa Africana um dos homens me confessou que a mulher era inflável, mas ninguém percebeu a diferença e a devoraram de forma épica. Xerxes o comandante dos mineradores, me contou no seu mais profundo coma graspal que o ritual na verdade foi copiado de um livro da série de RPG  Vampiro a Máscara. Puta merda…

Diário de Bordo 005  (eu acho)

Data Galática 457

Capitão James Pickles

Realmente me bateu uma dúvida cruel: qual o sentido de escrever este diário?

Não faz sentido algum perder meu tempo escrevendo mentiras. Tá, não são mentiras, mas é algo que as pessoas não vão acreditar quando forem ler. Melhor para todos. Na verdade tenho tempo, já que a grande funda para arremessar.. desculpe, enquanto o dispositivo de lançamento da nave não estiver preparado, nada podemos fazer. Meu amigo e superior, o almirante Figueiredo, me deu um tal de Frítaime (sei lá o que é), mas traduzindo, ele me deixou ir até o xópis da cidade 35. Sabe como é, mulherada, bares com bebidas de todas as cores e sabores. Fiquei em um deles pensando com meu chapéu sobre como a terra se encheu, se encheu de nós. A verdade é que o planeta ficou mais pesado e isto já mudará as coisas por lá. Em breve mudará a nossa também (ainda bem que vou cair fora). Ainda não acredito que os toscos ferraram com nosso eixo de inclinação fazendo a hora do pulo. Cara, como pessoas em sua mais pura sanidade iria participar de um pulo coletivo. Pois é, eles fizeram e pularam todos ao mesmo tempo com transmissão ao vivo na TV aberta. Claro, deu merda. Ferraram com tudo. Parece que os japas desapareceram com o maremoto (tsunami) JASPION. Os russos no desespero tomaram todo seu estoque de vodka (que pecado, mas ao mesmo tempo que inveja). Eu ainda estou aqui, sentado no bar Tripod vendo as mães gostosas passar com seus filhos chatos pedindo coisas, gostosas com seus machos sarados, tatuados com inscrições celticas, chinesas, japonesas e até maias (Pequenos adornos epteliais que são imãs para esquemas tesudinhos) segurando cachorrinhos fofinhos em coleiras vermelhas. Apesar de não ser sarado, também tenho uma tatuagem. A minha é especial, quando não estou em ponto de bala pode-se ler PRONTO. Ao receber um sinal verde de exploração de uma gruta dos mais ricos prazeres (poético não é) ela muda e neste momento pode-se ler: PRONTO PARA QUALQUER SITUAÇÃO CUSTE O QUE CUSTAR!!!. Ainda assim, não sou um esnobe, sou modesto, um filho da terra rejeitado. Vamos para o copo número 45. Bem, eu sou original de Cacimbas do Sul, uma cidade litorânea do complexo Ferro Espacial do Porto de Rio Grande. Como todos sabem, este antigo estaleiro foi transformado no Complexo Ferro Espacial, especializado na construção de naves comerciais coloniais. Os Tecnocratas chamados de Os Gringos são um dos membros da Batata Metálica, grupo capitalista global da nova era. Pensando em mercados mais abrangentes os Gringos foram pioneiros na corrida da venda espacial. Sua naves coloniais levam o que há de mais puro e saudável em produtos coloniais cultivados e feitos a mão nos campos preservados do planalto e Sudeste Mecasul para fora da terra, nas estações espaciais entre a terra e a lua, nós aqui na lua. Só estamos felizes graças a eles.

Com isso seus negócios não foram pro brejo com o aumento da população e com o domínio da San Mcdonalds. Porém nem tudo são flores, para reduzir custos os Gringos criaram as naves fazendas que ficam em órbita, mas infiltrados a pedido do grupo Extremista Fatworld surgiram os EOST (em órbita sem terra). Os caras destruíram plantações e introduziram o Spacechimas que se espalhou pelas fazendas. Hoje, duas das seis fazendas estão sobre o controle dos EOSTs. A vantagem é que eles possuem apenas uma nave colonial e com reservatório muito pequeno, não fazendo concorrência com as demais fazendas que possuem colônias maiores e em maior número. Tem algo acontecendo, como se o bar estivesse se movendo, porém eu estou no mesmo lugar… derrepente estou na rua, após ver várias luzes. Droga, acho que fui arrastado pra fora. Minhas costas doem e pior de tudo é que estou todo mijado.

Licença Creative Commons
O trabalho Jussara e a Viajem do Capitão Pickles de Alexsandro Barbosa Costa foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial – CompartilhaIgual 3.0 Brasil.
Com base no trabalho disponível em www.zykonn.wordpress.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http://www.portalgeobrasil.org.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s